Sinalização custosa

 

Se algo não faz sentido, a sua hipótese de referência deve ser “sinalização custosa”. A ideia central tem mais de um século, mas novas rugas merecem maior exposição. O “consumo conspícuo” de Veblen explicou por que as pessoas fumam notas de $100 como um sinal custoso da sua riqueza. Um tempo depois, outros economistas mostraram que um sinal de uma característica oculta se torna confiável se o custo de fingi-la é maior que o ganho esperado. Por exemplo, Spence mostrou que diplomas universitários (até em disciplinas irrelevantes) podem sinalizar confiavelmente bons empregados futuros porque são custosos demais para empregados ruins obterem.

 

Darwin disse: “A visão de uma pena no rabo de um pavão, sempre que olho para ele, me dá nojo!” porque ele não conseguia enxergar o seu benefício adaptativo. No entanto, faz perfeito sentido como um sinal custoso porque o pavão tem de ser bastante apto para sobreviver com um rabo daqueles! Por que gazelas desperdiçam tempo e energia fazendo “stotting” (pulando verticalmente) quando veem um guepardo? Isso é um sinal custoso da sua força e os guepardos vão atrás das outras gazelas. Os biólogos vieram a aceitar a ideia só em 1990 e agora a aplicam à sinalização entre genitores e progênie, predador e presa, machos e fêmeas, irmãos e muitos outros relacionamentos.

 

 

A tecnologia está pegando o bonde andando. A integridade da criptomoeda “bitcoin” é mantida por “mineradores” de bitcoin que são pagos em bitcoin. O principal risco de enganação são os “ataques sybil“, em que um único participante finge ser vários mineradores numa tentativa de subverter a integridade da rede. A Bitcoin neutraliza isso exigindo que os mineradores resolvam enigmas criptográficos custosos a fim de adicionar blocks à blockchain. A mineração de bitcoin atualmente gasta um gigawatt de eletricidade, que é cerca de um bilhão de dólares por ano em taxas americanas. A Venezuela está em turbulência econômica e alguns cidadãos famintos estão recorrendo à invasão de zoológicos para comerem animais. Ao mesmo tempo, intrépidos mineradores de bitcoin venezuelanos estão usando a eletricidade barata de lá para ganhar $1.200 por dia. Perceba a estranheza disso: Provando que usaram inutilmente recursos preciosos, eles fazem com que outro país lhes mande comida!

 

Quando era graduando em Berkeley, me perguntava por que o pregador frequentemente pregava na praça principal. Toda vez ele era hostilizado por uma multidão e nunca o vi converter ninguém. A sinalização custosa explica que pregar para aquela audiência era um sinal muito melhor da sua fé e compromisso do que seria pregar para uma audiência mais receptiva. De fato, o próprio antagonismo da sua audiência aumentava o custo e, portanto a confiabilidade do seu sinal.

 

Uma ideia similar está ocorrendo nas mídias sociais. Scott Alexander observa que o grupo de direitos dos animais PETA é muito mais conhecido do que o grupo relacionado Vegan Outreach. A PETA faz declarações escandalosas e realiza atos escandalosos que geram muito antagonismo e são, portanto sinais custosos. Eles jogaram tinta vermelha em mulheres que usam pele e se ofereceram para pagar contas de água de famílias em Detroit que concordassem em parar de comer carne. Eles atualmente têm uma campanha para investigar o australiano que deu um soco num canguru para resgatar o seu cachorro. Os membros que promovem posições ambíguas ou controversas sinalizam o seu compromisso à sua causa de um modo que posições mais aceitas não sinalizariam. Por exemplo, se tivessem uma campanha para prevenir a tortura de gatinhos, todo o mundo concordaria e os membros não teriam um sinal forte do seu compromisso com os direitos dos animais.

 

Isso se relaciona com a propagação de memes de um modo interessante. Memes com que todo o mundo concorda tipicamente não se espalham muito porque não sinalizam nada acerca do emissor. Ninguém está tuitando que “2+2=4”. Mas memes controversos fazem uma afirmação. Eles fazem com que as pessoas com uma opinião contrária respondam com memes contrários. Como CGP Grey explicou lindamente, memes contrários ajudam uns aos outros sinergeticamente a se difundir. Eles também criam um custo para os emissores na forma de reações antagonistas dos crentes no meme contrário. Mas do ponto de vista da sinalização custosa, é melhor você demonstrar a sua crença e compromisso espalhando-os mais ainda! Ambos os lados ganham esse impulso de sinalização confiável e são motivados a intensificar as guerras de memes.

 

 

Um problema com toda essa sinalização custosa é que ela é custosa! Os pavões ficariam muito melhor se não tivessem que gastar recursos nos seus rabos enormes. A Bitcoin seria muito mais eficiente se não desperdiçasse a eletricidade de um país pequeno. As pessoas poderiam ser mais produtivas se não tivessem infindáveis guerras de memes para demonstrar o seu compromisso.

 

Pode ser que a tecnologia consiga nos ajudar com isso. Se características ocultas pudessem ser comunicadas com confiabilidade, não haveria mais necessidade para sinais custosos. Se um pavão pudesse mostrar à pavoa a sua sequência genética, ela não teria que escolhê-lo com base no seu rabo. Se gente rica pudesse revelar confiavelmente as suas contas bancárias, não precisaria de iates de luxo ou carros chiques. Se os mineradores de bitcoin pudessem mostrar que não estão sendo falsos, poderíamos esquecer de todos aqueles enigmas criptográficos ruinosos. Com o desenho certo, sistemas de Inteligência Artificial podem revelar confiavelmente o que está realmente nas suas mentes. E conforme o nosso entendimento da biologia se aperfeiçoa, os humanos podem ser capazes de fazer o mesmo. Se pudermos criar instituições e infraestrutura para apoiar a comunicação veraz sem sinalização custosa, o mundo se tornará um lugar muito mais eficiente. Até lá, é bom se conscientizar sobre a sinalização custosa e notá-la agindo em tudo quando é lugar!

 

 

Steve Omohundro é cientista, professor, escritor, arquiteto de software e empreendedor. Sua pesquisa mais recente trata das implicações sociais da Inteligência Artifícial.

Tradução: Luan Rafael Marques.

Link para o original.

Este estudante de filosofia está extremamente interessado e esperançoso pelas crescentes ciências da mente. Ele acredita que podemos chegar ao consenso pelo diálogo racional e superar nossos vários tribalismos. Ele também acredita que um grande passo nessa direção é esclarecer sobre os fatos da nossa natureza e vieses, seguir o oráculo e conhecermo-nos a nós mesmos. A Rainha de Copas disse a Alice que conseguia acreditar em seis coisas impossíveis antes do café-da-manhã. Ele está quase lá.

Faça um comentário!