As áreas de atuação do psicólogo esportivo

“O que um psicólogo faz na área de prática esportiva e exercício físico?” costuma ser uma pergunta recorrente as pessoas que não a conhecem.

 

Como já fora dito anteriormente, não é uma área exclusiva dos psicólogos, sendo inserida na conhecida ciência do esporte, tratando de uma interdisciplinaridade com outros profissionais e áreas do conhecimento. Para Brandão (1995), citando Rubio (1999), durante a graduação, o conteúdo sobre psicologia do esporte é oferecida regularmente na grade do curso de Educação Física, o que não ocorre no curso de Psicologia, por isso há profissionais de outras formações universitárias trabalhando com objetos da psicologia. Nesses trabalhos são abordados temas como motivação, gênero, emoção, estresse, a questão social que o indivíduo está inserido, personalidade, como lidar com lesões, entre outros.

 

De acordo com Souza (2003, p. 179), o papel do psicólogo relacionado aos esportes, seja profissional ou amador, consiste em investigar as interações estabelecidas entre atletas, treinadores, dirigentes, torcida e quaisquer outras variáveis presentes no contexto esportivo. O trabalho do psicólogo incluiria, também, intervenções voltadas para a melhoria na interação entre treinador e atleta, para a discussão sobre questões relacionadas à aposentadoria no esporte ou recuperação de lesão, para o incentivo à escolarização de atletas, entre outras, que contribuíssem, de forma geral, para o bem-estar dos envolvidos com o esporte, independente da idade, gênero e raça.

 

Em contextos esportivos de movimento de ação social o psicólogo esportivo também está presente, rumo à melhoria da qualidade de vida da população, compreendendo o significado e a importância da atividade física na vida do indivíduo.Weinberg & Gould (2016) apresentam como a psicologia se concentra em fatores psicológicos que envolvem exercícios e saúde, assim, desenvolvendo estratégias para encorajar pessoas a praticarem atividades físicas, até mesmo para tratamento de possíveis psicopatologias.

 

Martens (1987, apud RUBIO, 1999) afirma que seria possível encontrar profissionais em campos distintos de atuação, sendo a Psicologia Esportiva acadêmica, cujo interesse pertenceria à pesquisa e conhecimento da disciplina; outro campo seria a Psicologia Esportiva aplicada em campo de atuação e intervenção.

 

Há três papéis básicos nas atividades profissionais (Weinberg & Gould, 2016), sendo eles a pesquisa, o processo de lecionar e a atuação como consultores. O principal papel do pesquisador consiste em aumentar o conhecimento de campo através de pesquisas de diversos temas. Sendo um campo multiprofissional, inúmeras pesquisas compartilham resultados com outros profissionais. A maioria dos psicólogos esportivos ministra aula desse tema para cursos que englobam as ciências do esporte, seja durante graduação, mestrado e/ou especialização. Já o papel do consultor pode ser com atletas de maneira individual ou coletiva, assim, desenvolvendo habilidades psicológicas para aprimorar o desempenho em treinos e/ou competições, também podendo atuar de maneira para o bem-estar físico e psicológico do indivíduo que pratique exercício físico.

 

Imagem: Página 5. WEINBERG, Robert S., GOULD, Daniel. FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA DO ESPORTE E DO EXERCÍCIO. ARTMED: São Paulo, 2017.

 

É necessário diferenciar a psicologia clínica esportiva e a psicologia escolar esportiva (Weinberg & Gould, 2016, p. 5-6). Para maior facilidade, chamarei a psicologia clínica esportiva de (PCE) e a psicologia escolar esportiva de (PEC). A PCE consiste em aprender a detectar e tratar indivíduos com transtornos emocionais, alimentares ou abusos de substâncias. A PEC é extensiva das ciências do esporte, assim, compreendendo os contextos esportivos e exercícios físicos, fazendo treinos psicológicos individuais ou coletivos para o desenvolvimento do atleta.

 

Singer (1988, apud RUBIO, 1999) fornece os seguintes modelos para atuação do psicólogo no ramo esportivo:

 

  • especialistaem psicodiagnóstico –utiliza instrumentos para avaliar potencial e deficiências em atletas;
  • conselheiro–o profissional atua e intervém junto a atletas e comissão técnica, lidando com questões coletivas ou individuais do grupo;
  • consultor– procura avaliar estratégias e programas estabelecidos, de maneira que aprimore o rendimento;
  • cientista– produz e transmite o conhecimento da e para a área;
  • analista–avalia as condições do treinamento esportivo, fazendo a intermediação entre atletas e comissão técnica;
  • otimizador–a partir de uma avaliação do evento esportivo busca organizar programas que aumentem o potencial de performance.

 

Samulski (1992, apud RUBIO, 1999) destaca quatro os campos de aplicação:

 

 

  • Esporte de rendimento: procura a otimização do desempenho numa estrutura formal e institucionalizada. Analisando e transformando os determinantes que afetam no rendimento do atleta e/ou grupo esportivo.
  • Esporte escolar: o foco é a formação, voltada por princípios sócio-educativos, dispondo seus praticantes para a cidadania e para o lazer. Tem por objetivo compreender e analisar os processos de ensino, educação e socialização inerentes ao esporte e seu reflexo no processo de formação e desenvolvimento do indivíduo.
  • Esporte recreativo: visa o bem-estar para todas as pessoas. Praticado voluntariamente e ligados com os movimentos de educação permanente e com a saúde. Presente no comportamento recreativo de diferentes faixas etárias, classes e atuações profissionais em relação a váriascausas, interesses e atitudes.
  • Esporte de reabilitação: desenvolve um trabalho voltado para a prevenção e intervenção em pessoas portadoras de algum tipo de lesão decorrente da prática esportiva, ou não, e também com pessoas portadoras de deficiência física e mental.

 

Ao longo do texto busquei mostrar as diversas áreas de atuação do psicólogo do esporte e exercício físico, sendo ainda uma área em construção e que ainda há muita coisa a ser explorada.

 

 

REFERÊNCIAS

 

SOUZA, Silvia Regina de. HAYDY, Verônica Bender. PSICOLOGIA COMPORTAMENTAL APLICADA: Avaliação e intervenção nas áreas do esporte, clínica, saúde e educação. Londrina: EDUEL, 2009.

 

WEINBERG, Robert S., GOULD, Daniel. FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA DO ESPORTE E DO EXERCÍCIO. ARTMED: São Paulo, 2017.

 

RUBIO, Katia. A psicologia do esporte: histórico e áreas de atuação e pesquisa. 1999. Acessado em: 29/11/2017. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931999000300007>

Estudante de psicologia.

Faça um comentário!