Necessidade de desfecho

 

O poeta John Keats cunhou o termo capacidade negativa para se referir à habilidade de permanecer contente com meio-conhecimento “sem nenhuma busca irritável por fatos e razões”. O oposto da capacidade negativa é conhecido pelos psicólogos como necessidade de desfecho (NDD). A NDD se refere a uma aversão à ambiguidade e à incerteza, e a um desejo por uma resposta firme a uma questão. Quando a NDD se torna irresistível, qualquer resposta, até uma errada, é preferível à permanência num estado de confusão e dúvida.

 

Se pudéssemos representar o conhecimento como terra firme e ignorância como água, até a mente de Einstein conteria apenas umas pequeninas ilhotas espalhadas num vasto oceano de ignorância. Ainda assim, a maioria de nós acha difícil admitir quão pouco realmente sabemos. Com que frequência, no curso de nossas conversas cotidianas, fazemos afirmações das quais não temos nenhuma evidência, ou citamos estatísticas que não são nada além de palpites? Por trás de todas estas confabulações aparentemente inócuas se encontra a NDD.

 

Não há nada de errado em querermos saber a resposta para uma questão, ou nos sentirmos perturbados com a extensão da nossa ignorância. Não é a busca por fatos e razões que Keats condena, mas a busca irritável por fatos e razões. Por maior que possa ser o nosso desejo por uma resposta, devemos nos certificar de que nosso desejo pela verdade seja ainda maior, com o resultado de que prefiramos permanecer num estado de incerteza em vez de preencher as lacunas de nosso conhecimento com algo que inventamos.

 

A maior conscientização dos perigos da NDD levaria  mais gente a dizer eu não sei” com muito mais frequência. De fato, a conversa cotidiana transbordaria admissões de ignorância. Isto representaria um enorme salto em direção ao objetivo de maior racionalidade na vida diária.

 

 

Dylan Evans é fundador e diretor executivo do Projection Point, e autor de Risk Intelligence: how to live with uncertainty  [Tradução livre: Inteligência de Risco: como viver com a incerteza].

Tradução: Luan Rafael Marques.

Link para o original.

Faça um comentário!