Categoria: Psicologia Cognitiva

Irracionalidade onipresente

  Uma das mais importantes lições que a psicologia nos deu, senão a mais importante, é esta: a ignorância é nosso estado natural por direito. É o produto direto de como nossa mente trabalha. São toneladas de experimentos realizados no correr das últimas décadas confirmando de forma exaustiva que asContinuar…

O pensamento e seus vícios

  A proverbial afirmação de que o homem é um animal racional não pode ser levada tanto a sério. Já a afirmação  de que errar é humano não poderia ser mais verdadeira. Indo direto ao ponto, nossa característica mais peculiar não é — ora vejam! — a racionalidade, mas a crendice! SomosContinuar…

IA, redes neurais e o paradigma das máquinas que “pensam”

  No meu texto sobre redes neurais artificiais (RNAs) eu faço uma breve introdução do conceito e uso das redes neurais artificiais para a compreensão do nosso processo de aprendizagem. Desta vez eu gostaria de iniciar introduzindo o conceito de conhecimento. Haykin (2001, p. 49) lembra da definição de conhecimento apresentada porContinuar…

Memória – parte 3: integrando experiências

  O assunto deste texto é a memória de trabalho, ou memória operacional, como também é conhecida. Em primeiro lugar, precisamos fazer uma distinção entre a memória de trabalho e a memória de curto prazo, do modelo dos três receptáculos. As informações contidas na memória de trabalho podem ter sidoContinuar…

Duas visões opostas nas neurociências

  Na história das pesquisas em neurociência, destacam-se duas formas opostas de entender a relação entre o cérebro e como as pessoas pensam, sentem e se comportam. A primeira delas é a visão localizacionista, que entende que as funções psicológicas encontram-se em determinadas áreas do cérebro, que existiriam centros paraContinuar…

Memória – parte 2: níveis de processamento

  Alguns psicólogos cognitivistas se afastaram do modelo dos três receptáculos. Uma das alternativas foi enfatizar como a codificação da informação influencia no armazenamento e na evocação. Nesse sentido, o processamento de uma informação poderia ser feito em diferentes níveis de profundidade. O experimento clássico que apoiou essa visão foiContinuar…

Memória – parte 1: armazenando experiências

  A forma como agimos e pensamos é modificada o tempo todo pelo contato que temos com nós mesmos, com o mundo e com as outras pessoas. Essa mudança decorre da aquisição de conhecimento proporcionada pelas experiências: a isso damos o nome de aprendizado. A memória, por sua vez, éContinuar…

Pós-verdade e a era da (des)informação

  A palavra da vez é “pós-verdade”. O substantivo foi eleito pela Oxford Dictionaries como a palavra do ano de 2016. Trata-se de um neologismo para a situação em que fatos e análises especializadas têm menos influência na formação da opinião pública do que o apelo a emoções, a crendices pessoaisContinuar…

O efeito das memórias e informações falsas

  O âmbito jurídico, assim como outros âmbitos de atuação do psicólogo, constitui uma área de fazeres em que vidas humanas são definitivamente mudadas. Seja por intervenção na forma do poder estatal, que integra obrigações e restrições forçosas e legitimadas, ou por abonos, alívios e restituições, os sujeitos que seContinuar…